ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como SUSPEITOS e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

Esta página pode conter em seu conteúdo IMAGENS FORTES ou CHOCANTES para algumas pessoas. Se você é maior de 18 anos e tem certeza que deseja visualizar estas imagens, CONTINUE. caso contrário FECHE A PÁGINA.

Gaeco faz operação para desarticular fraudes na compra de tornozeleiras da Sejus-RO

Fonte: g1 - Em Polícia - 06/02/2020 02:45:00 hrs

Gaeco faz operação para desarticular fraudes na compra de tornozeleiras da Sejus-RO

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) realiza nesta quinta-feira (6) a Operação Armagedom, que visa combater um esquema criminoso na contratação de tornozeleiras eletrônicas dentro da Secretaria de Justiça de Rondônia (Sejus).


A ação é realizada pelo Gaeco e Polícia Civil de Rondônia, além do Gaeco de São Paulo (SP). São cumpridos vários mandados de busca e apreensão, emitidos pela 4ª Vara Criminal de Porto Velho, mas o número exato não foi divulgado.
Em nota enviada ao G1, a Secretária de Estado da Justiça diz estar colaborando com as investigações da Operação Armagedom e que entregou "todos documentos e informações solicitadas pelas autoridades competentes".


Foram entregues todos documentos e informações solicitadas pelas autoridades competentes. A Sejus está está à disposição para dirimir quaisquer dúvidas.
 

Como a fraude funcionava?


 
Segundo o Ministério Público de Rondônia (MP-RO), desde 2011 foram fraudados procedimentos licitatórios na aquisição de tornozeleiras eletrônicas destinadas ao monitoramento de detentos.


"Verificou-se que apesar de a empresa investigada apresentar preços excessivamente acima do mercado, esta obteve diversas vezes a prorrogação dos contratos de serviços de monitoramento eletrônico de Rondônia, mediante suposto pagamento de propina aos servidores públicos envolvidos", diz o MP.


Conforme investigação, o esquema envolvia empresas, servidores públicos e agentes políticos. Os investigados devem responder por corrupção ativa e passiva, peculato, além de ilícitos civis caracterizadores de improbidade administrativa.

 

O valor do prejuízo causado aos cofres públicos não foi informado pelo Ministério Público.
A investigação da operação Armagedom é um desdobramento da Operação Termópilas (2011) e da Operação Plateias (2014).

.

Outras Imagens

Gaeco faz operação para desarticular fraudes na compra de tornozeleiras da Sejus-RO
  • Compartilhe essa notícia
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Mais Notícias da Categoria: Polícia