Rolim de Moura,

ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS


Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como SUSPEITOS e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

Esta página pode conter em seu conteúdo IMAGENS FORTES ou CHOCANTES para algumas pessoas. Se você é maior de 18 anos e tem certeza que deseja visualizar estas imagens, CONTINUE. caso contrário FECHE A PÁGINA.

Postado por: Redação Alerta Rolim em 07/08/2018 ás 21:55:08
Tamanho da Fonte
MP do Saneamento: é hora de tirar o Brasil do esgoto
Inicia-se no Congresso uma disputa crucial para tirar o saneamento do beco sem saída em que se encontra... ou não.

 

A crise, que secou ainda mais os tímidos investimentos do governo para a universalização do saneamento no país, tem na aprovação da MP 844 (MP do Saneamento) uma porta que se abre a soluções viáveis. Ou seja, condições legais e concretas para atrair o dinheiro da iniciativa privada, do mundo inteiro, com metas claras de como esse dinheiro deverá ser aplicado e com a devida fiscalização e regulação.

 

Você pode ajudar, manifestando sua opinião aos deputados e senadores que vão votar para decidir o futuro do saneamento do país.

 

Medo da concorrência esconde desejo de manter mordomias

 

Quem é contra a MP 844 são os diretores das Empresas Estatais de saneamento, responsáveis por cerca de 90% do setor (eu disse 90%), além dos representantes de sindicatos e das associações de funcionários.

 

Do alto de seus maravilhosos cargos, com salários e benefícios obesos, eles tecem sua ira contra a obrigatoriedade de licitação, proposta pela MP do Saneamento, para renovação das concessões junto aos municípios. Como se a livre competição fosse um absurdo!  

 

Essa ira revela não só o medo da competição, mas visa esconder a ineficiência das empresas estatais e a irresponsabilidade com a gestão pública do saneamento.

 

Segundo dados do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), de 28 estatais brasileiras, 21 deram prejuízo em 2016, o que talvez explique a situação surreal em que vivemos. Mesmo considerando as tarifas generosas pagas por nós, consumidores, mais de 35 milhões de brasileiros ainda não tem água tratada e mais de 100 milhões não tem nem coleta de esgoto, muito menos tratamento: 55% do esgoto coletado é jogado de volta na natureza sem tratamento, afetando diariamente a saúde das pessoas e o meio ambiente.

 

Ainda segundo o SNIS de 2016, das 28 empresas estatais apontadas, mais da metade (15) gasta cerca de 50% da sua receita só para cobrir a folha de pagamento (algumas, mais de 60%). Daí o medo da competição, que ameaçaria a “renovação automática” das concessões das estatais nos municípios.

 

Sem metas e sem qualquer cobrança quanto à eficiência, os diretores das estatais nunca se preocuparam em criar programas efetivos para melhoria do desempenho dos funcionários, redução das gigantescas perdas de água e outras medidas necessárias para dar eficiência às Estatais, possibilitando investimentos. O objetivo é apenas garantir os salários e benefícios no fim de cada mês.

 

A hora é agora

 

Por isso, é urgente que a sociedade se posicione e se manifeste para que seus representantes, deputados e senadores, ouçam o desejo da população na hora de decidir, no Congresso, o futuro do saneamento no país.

 

Vamos abrir o mercado e garantir o investimento necessário para tirar do esgoto e dar saneamento e saúde a todos os cidadãos? Ou, vamos apenas garantir os altos salários e benefícios vitalícios dos marajás das empresas estatais?

 

Dê sua opinião, escreva para deputados e senadores. Sim, você pode mudar o seu país!

 

Vote também na enquete do Senado sobre a MP em  

https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=133867

Fonte: Assessoria / Escrito por Antônio Carlos Soares
Os comentários aqui postados são de responsabilidade de seu autor e não refletem a opinião do portal.
© 2013-2018 Todos os direitos reservados - alertarolim.com.br
Desenvolvido e hospedado por CREATIVE WEBSITES